flugzeug2

Estigma contra depressão pode aumentar após acidente aéreo na França

flugzeug2

Por Lenilson Ferreira

Os rumores de que sofria de depressão o copilo alemão Andreas Lubitz, que se acredita tenha sido o responsável por deliberadamente derrubar um avião da Germanwings nos alpes franceses matando 150 pessoas, pode aumentar em todo o planeta o preconceito contra aqueles que sofrem desta doença.

“Piloto suicida tinha longo histórico de depressão – por que o deixaram voar?”, indagou o tabloide britânico Daily Mail, dando o tom da pressão que a comunidade internacional deve começar a exercer sobre aspecto psíquico da tragédia que comoveu o mundo.

Investigadores encontraram atestados médicos rasgados na casa de Lubitz, inclusive um para 24 de março, o dia do acidente, e que a empresa aérea afirma não ter recebido. A mídia alemã apurou que Lubitz sofreu um sério episódio depressivo durante seu treinamento para ser piloto em 2009. Teria ele escondido sua condição mental a fim de preservar seu emprego? Esta é a pergunta que não quer calar.

Essas conclusões aparentemente precipitadas parecem configurar especulações e podem contribuir para criar uma atmosfera de histeria no mundo com relação ao tratamento que a sociedade dá àqueles que têm depressão.

“A impressão que se tem é de que as pessoas com depressão podem ser perigosas, embora não haja nenhuma prova disso. Pessoas com depressão podem trabalhar em cargos estressantes, continuar a lutar contra a depressão e fazer seus trabalhos muito bem,” afirmou à BBC Brasil Paul Farmer, diretor executivo da Mind, um dos principais grupos ativistas da saúde mental na Inglaterra.

Ao longo da minha experiência como psicanalista tratando de pessoas que sofrem de depressão nos mais variados graus, jamais vi um paciente com esta psicopatologia que tenha atentado contra a vida de outra pessoa. Ao contrário, a ideação suicida é muito comum entre pessoas que sofrem de depressão, embora ela com frequência simbolize um desejo de matar a dor que se sente e não a si próprio.

O estigma contra a depressão é um dos maiores obstáculos que precisam ser superados para que pacientes recebam o tratamento adequado, combinando uma psicoterapia como a psicanálise com o uso de psicofármacos prescritos por um médico psiquiatra. O estigma é fruto da ignorância, que, por sua vez, é o motor que gera preconceitos contra doenças mentais.

A depressão já é a maior doença que incapacita seres humanos a levar uma vida saudável e produtiva, segundo a Organização Mundial da Saúde, e deverá saltar para o primeiro lugar neste assustador ranking por volta de 2030.

Acolher, procurar entender, não julgar e ter paciência permanente são algumas da principais estratégias que aqueles que lidam com pessoas com depressão devem ter. O estigma costuma conduzir o paciente para um quadro de maior isolamento, profunda dor e até mesmo à morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>