unnamed (1) (640x427)

Protestos GLS em Manhattan ampliam suas forças a cada final de semana

“Momentos como este que devemos trabalhar juntos, colaborar e mostrar para o mundo que nós existimos e estamos aqui firmes e fortes!”, declara Thiago Maúes

Por: Viviane Faver

Nos dois últimos finais de semana em Nova Iorque foram realizados protestos formados por mais de 20 mil gays e simpatizantes de toda as faixas etárias em Downtown Manhattan em frente ao Stonewall Inn pelo possível golpe do novo governo contra os direitos homossexuais.

unnamed

Multidões, entre eles muitos brasileiros residentes, dirigiram-se ao local e segundo entrevistados o maior medo era sobre uma notícia vazada da ordem executiva que permite a discriminação em nome da liberdade religiosa.

 

Thiago Maués mudou-se para Nova Iorque em 2013, desde criança por influenciado por filmes e seriados onde tudo era perfeito comoDisneyland.

Thiago  Maúes

Thiago Maúes

 

Com essa reviravolta Thiago chama atenção para a importância de todos se manterem unidos acima de tudo.” Ainda existe muito preconceito dentro mesmo da comunidade GLS muita gente tem medo de se expor e lutar pelos seus direitos, até porque é muito mais fácil se calar e viver sob uma falsa liberdade”, argumenta.

 

Quanto as mudanças do governo, Thiago brinca comentando que trocar de presidente seria uma ótima idéia. O mais importante para ele, no entanto, é não deixar essa situação colocar uns contra os outros. “Pelo contrário, são em momentos como este que devemos trabalhar juntos, colaborar e mostrar para o mundo que nós existimos e estamos aqui firmes e fortes!”

 

Outra brasileira que participou da manifestação foi Gabriela Cabral.Revoltada com a situação ela diz que tem tentado bloquear o que o presidente Trump está fazendo pois é deprimente “estão tentando legalizar a discriminação e isso realmente me deixa triste e zangada, tem havido tanto má notícia em tão pouco tempo desse homem no poder! “

unnamed (1) (640x427)

Membro do conselho de Nova Iorque, Corey Johnson, cujo distrito inclui os bairros de West Village e Chelsea, é um organizador chave e disse ao Guardian que ficou chocado com esse projeto vazado da ordem executiva. “Pode não ter saído ainda, mas disse que quer perseguir pessoas gays.  Trump nomeou altos funcionários e membros do gabinete que são anti-gay e junto com a direita religiosa é o equivalente a fazer um pacto com o profissional anti-gay Forças “, disse Johnson ao The Guardian, acrescentando que se o projeto de ordem fosse assinado pelo presidente seria “desastroso”. O documento procura criar isenções a grosso modo,  para pessoas e organizações que reivindicam objeções religiosas ou morais ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, sexo pré-marital, aborto e identidade transgênero, e visa restringir o acesso das mulheres à contracepção e ao aborto através do Ato de Cuidados Acessíveis. Uma versão vazou para a Nação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>