alo voce 8 anos capa destaque 202103

Alô Você Magazine: 8 Anos Contando Histórias

A Alô Você Magazine faz aniversário esse mês! Vem relembrar com a gente alguns fragmentos da nossa trajetória.

 Quer ver todas as nossas edições e as entrevistas completas? Acesse: www.alovocemagazine.com

felipe haubrich
Felipe Haubrich Diretor / Publisher

8 anos de revista e sonhos realizados…

“Para mim muitos momentos inesquecíveis e de muita gratidão! Agradecendo a todos da equipe da Alô Você como Ana Cristina, Carol Contri, Humberto Lima, Luanna Wiechers, Marcelo Torres e Lucas Queiroz. Agradecendo pessoas especiais que ajudaram na história dessa revista como Marisa Abel, Ricardo Borges, Jessica Anelli e Katherine Gomes, incríveis profissionais.”

Gratidão a todos nossos queridos amigos, clientes e leitores que acreditam no nosso trabalho.

ana haubrich
Ana Santos Editora Chefe

Como falar de oito anos da Alô Você Magazine sem mencionar uma equipe de incríveis profissionais?

“Entre outros, jornalistas Marisa Abel e Carol Contri, graphic designers Ricardo Borges, Kay Gomes e Humberto Lima, fotógrafos Gebe Banderas e Lucas Queiroz, marketing por Jessica Anelli, social media por Luanna Wiechers e Marcelo Torres. Como não lembrar dos diversos colaboradores que agregaram tanto da sua sabedoria às nossas páginas? Foram oito anos de muito aprendizado, de algumas noites mal dormidas, mas sobretudo de muita gratidão pela família que se tornou Alô Você. A nossa visão e missão era criar um veículo que além de informar, viesse a dar um pouco de entretenimento às nossas queridas comunidades de língua portuguesa, viesse humanizar cada um que abrisse a nossa revista, muito possivelmente cansado depois de um ardúo dia de trabalho neste país. O apoio destes leitores durante estes oito anos, acredito que indica que estamos sendo fiéis à nossa visão. Assim, a nossa missão continua…“

Happy birthday, AVM!!

Há quanto tempo você acompanha a Alô Você Magazine? Te pergunto isso, pois a publicação está completando 8 anos neste mês. E entre tantas páginas impressas, entrevistas realizadas, publis, pautas pensadas e concretizadas, tem muito amor e dedicação envolvido. Criada em 2013 pelo publicitário Felipe Haubrich e pela editora Ana Santos, a AVM (para os mais íntimos) é fruto do acreditar em boas parcerias, boa comunicação e grandes amizades. São 8 anos contando histórias de parceiros, trazendo para nossa capa artistas e, principalmente, nomes de pessoas que fazem a diferença em solo americano.

Dedicamos cada uma de nossas páginas àqueles que de alguma forma constroem suas histórias de forma corajosa, amiga e humana. E, claro, além das boas entrevistas, o tanto de anunciantes que apostam em nós, temos também as matérias que trazem informação, conteúdo de bem-estar, moda, receitas, tudo para agradar, como diz o ditado, “gregos e troianos”. Ou melhor ainda, agradar e chegar aos milhares de brasileiros que moram em New York, New Jersey e Pennsylvania.

E, também, por que não lembrar dos nossos prêmios? A revista já recebeu o prêmio de Reconhecimento Jornalismo de Integração Comunitária, pela Brazilian International Press Awards/ABI International, em 2018 e também o do Prêmio Inovação, pela Brazilian International Press Awards/ABI International, em 2017.

Já estamos em nossa 76ª edição e como contar nossa história melhor do que relembrando alguns trechos de entrevistas que já estamparam nossas capas?

Gustavo Lima – ed. 07. setembro/2013
Alô Você Magazine: O que a fama te trouxe de bom e de ruim?
Gustavo Lima: De bom, tudo que o que conquistei, minha carreira, o carinho do público, poder ouvir minha música no rádio…E de ruim, para quem escolhe viver da música e alcança o objetivo, talvez o que incomoda um pouco é a falta de privacidade, mas a gente acaba acostumando, não posso reclamar de nada.

Ivete Sangalo – ed. 18. agosto/2014
Alô Você Magazine: Com tantos compromissos como você se organiza para ter seus momentos particulares e quais são estes momentos?
Ivete Sangalo: É uma delícia, porque tem amor em cada uma dessas funções. E eu tenho uma estrutura que me permite fazer tudo isso, sem que nenhuma das partes saia prejudicada ou tenha menos da minha atenção. A de mãe é prioridade, sempre. Mas consigo conciliar tudo e dar o máximo de mim em todas elas. Aliás, esse não é um mérito só meu. Tantas mulheres que se dividem assim. Trabalham na rua, trabalham em casa, cuidados com os filhos, com a família. Faço o que toda mulher faz.

Giovanna Ewbank – ed. 31. novembro/2015
Alô Você Magazine: Recentemente você esteve em NY para acompanhar o Bruno, que apresentou o Brazilian Day. Conte um pouco da sua experiência na Big Apple.
Giovanna Ewbank: Amo NY, sempre que posso vou a NY dar uma respirada, é um lugar de todas as tribos, todos se sentem bem, comem bem, tem arte para todos os lados, moda de primeira, parques para quem é da vida saudável, da vida de esportes…eu como sou tudo isso um pouco, me encontro de uma maneira mágica em NY. Sempre que estou por lá tenho vontade de chorar na hora de voltar para casa.

Cleo Pires – ed. 42. novembro/2016
Alô Você Magazine: Mocinha, vilã, menina simples ou esbanjando sensualidade. Você já fez vários papeis, com quais deles mais se divertiu e se identificou e qual deles causava indignação.
Cleo Pires: Adoro todos os meus papeis. Cada um teve uma importância na minha vida e na minha carreira.

Gloria Pires – ed. 46. junho/2017
Alô Você Magazine: Existe algum papel que você tenha um carinho especial? Qual?
Gloria Pires: Minha experiência de vida está intimamente ligada a minha experiência profissional. A primeira vez que eu entrei num estúdio, eu tinha 4 anos! Tudo foi e é especial, cada parte desse caminho.

Fátima Bernardes – ed. 54. junho/2018
Alô Você Magazine: Durante seus anos de profissão como jornalista, qual foi seu maior desafio?
Fátima Bernardes: Eu acho que meu maior desafio foi sempre de não me acomodar com o que estava acontecendo de bom. Eu tive uma carreira muito produtiva e muito cheia de avanços, felizmente, mas não acreditar nisso e estar sempre buscando algo melhor, eu acho que é o maior desafio. É não se acomodar e isso é para qualquer um.

Iza – ed. 55. julho/2018
Infelizmente, em pleno século XXI ainda somos testemunhas de racismo e “diminuição” da importância da Mulher. Como você se sente?
Iza: É muito ruim saber que ainda sofremos com isso. Incomoda demais. Mas ao mesmo tempo, me sinto cada vez mais forte para falar sobre isso, cantar sobre isso e para representar tantas mulheres, negras que se sentem diminuídas. Acho que se tem conquistado muito em prol da mulher, mas ainda falta muito a se conquistar. Não somente em prol da mulher, mas principalmente da mulher negra. Acredito que a gente ainda é, sim, a parcela da população que mais sofre com homicídios, com preconceito, com racismo e o machismo. Então, o que eu quero cada vez mais é conseguir oportunidade para que todas essas mulheres tenham lugar de protagonismo também.

Larissa Manoela – ed. 67. dezembro/2019
Alô Você Magazine: O seu novo álbum marca uma transição na sua carreira?
Larissa Manoela: Sim, com certeza! eu acho que nada melhor do que trazer músicas e poder se expressar musicalmente e tocar as pessoas nesse novo momento que estou vivendo através desse meu novo álbum. É toda uma construção, é todo um novo momento descobrindo muitas coisas, aprendendo, dividindo, trocando e quero deixar mais claro possível é que esse novo momento é natural na vida de qualquer ser humano e qualquer pessoa passa. Todo mundo cresce! Mas para mim acontece de uma forma mais delicada, mais sutil, porque carrego uma legião de fãs que são crianças e adolescentes e de forma alguma eu quero fazer com que eles fiquem órfãs do conteúdo que eu produzo. Então eu quero crescer, quero amadurecer, aprender com tudo isso e fazer com que essas crianças cresçam comigo.

Thiaguinho – ed. 69. março/2020
Alô Você Magazine: Por falar em internet, como você tem usado a seu favor o universo digital para alcançar mais fãs e alavancar mais sucessos?
Thiaguinho: Eu uso os meios digitais para divulgar o meu trabalho desde “Livre Pra Voar”, que foi a minha primeira música a fazer sucesso na internet e depois no rádio. Desde então, percebi que esse era um ótimo meio de divulgação e, ao longo dos anos, isso só foi aumentando. As pessoas hoje em dia recebem informações na internet e a música é também muito consumida digitalmente, então não há como não se preocupar ou deixar de estar atento a isso. As pessoas têm acesso a grandes catálogos do seu trabalho nas plataformas digitais. Digitam o seu nome e têm acesso a toda a sua carreira, às músicas que você gravou. Eu acho isso sensacional, tanto como artista quanto como fã, pois eu também consumo muita música digitalmente.

Mayana Neiva – ed. 75. fevereiro/2021
Alô Você Magazine: Você já trabalhou em novelas, filmes e séries. A construção de personagens nesses diferentes formatos é diferenciada?
Mayana Neiva: Sim, novelas são obras abertas. Você entra em uma história sem saber como ela vai terminar. São, em geral, produções longas, com cento e tantos capítulos, e tudo pode mudar. É como em um jogo de futebol, em que a bola pode vir de qualquer lugar e você tem que levá-la adiante e fazer um gol. Já em séries e filmes, temos roteiros fechados. Você tem como desenvolver um arco de personagem mais completo e o ator tem um pouco mais de controle sobre o que quer apresentar do início ao fim. Os três formatos são muito interessantes. Eu adoro. Queremos estar onde os bons personagens estão.

Fotos: Rodrigo Takeshi / Eduardo Bravin / Globo / Divulgação / Acervo Pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>